03 abril 2012

Cape Point

Na quinta-feira passada (29/03/2012) fui a um passeio até Cape Point com a Anne (irmã da minha avó) sua colega de trabalho e a filha dessa colega, Alexis.

Acordei às 07 horas, tomei café da manhã, montei minha mochila e a as 08 horas eu estava esperando Anne no portão da minha casa. O carro era pequenininho e eu tive que ficar com a cabeça abaixada para caber dentro dele.

No caminho passamos por Muizenberg, St James, Kalk Bay, Fish Hoek e Simon’s Town e Anne ia me contando a respeito dos lugares conforme avançávamos. 

Chegamos à reserva natural de Cape Point, passamos pela portaria e seguimos para a área em que ficava a trilha ‘Sirkelsvlei’ com direção a ‘Olifantsbos’. Estava fazendo muito frio e Anne me emprestou uma blusa, que era feminina, mas ninguém precisa ficar lembrando isso.


A trilha começou com várias subidas em meio às rochas e depois quando já estávamos em cima da montanha o trajeto ficou plano.  Conseguimos ver alguns ‘Red Hartebeest’, que quando nos viram se espalharam e saíram da trilha.

Descemos a montanha e demos de cara com a praia. Eu e Alexis tivemos que esperar Anne e a amiga dela porque elas tinham ficado muito para trás de nós. Seguimos andando na beira da praia até que alguns babuínos apareceram e tivemos que espera-los sair do trajeto.

Pegada do baboo
Eu acho esses macaquinhos super legais, até me arriscaria a chegar perto. Mas aqui eles realmente têm medo de animais, andam de janelas e portas fechadas dentro da reserva e é cheio de placas alertando que babuínos são animais selvagens e jamais devem ser alimentados.

Na praia podemos ver dois barcos naufragados, um deles é o barco de Nolloth (1965) e o outro de Thomas T. Trucker (Shipwreck Trail – 1942).  Nós paramos para tirar fotos e subir nas ferragens.



Encontramos na areia uma parte enorme de um osso de baleia e era possível umas três pessoas sentarem nele ao mesmo tempo.


Voltamos para o carro, onde fizemos um lanche e Anne me deu um chocolate chamado ‘Tex’ (Que é muito bom e tem três camadas: Bis – Suflair – Bis).

Seguimos para o centro de informações onde podíamos usar o banheiro e ir ao museu. Lá tinham explicações sobre as espécies de plantas e animais que habitam a reserva. Também tinha o certificado de registro dos barcos naufragados e um painel para explicar a degradação deles com o passar dos anos.

Na entrada do museu havia um esqueleto de uma baleia e uma placa mostrando a qual parte do corpo o osso pertencia, é incrível imaginar que já existiu um animal daquele tamanho todo!


No livro de visitas tinha uma ‘Mônica Esteves’ do Brasil e a data da visita era a mesma que a minha. Fiz como ela e escrevi de onde eu era e meu nome.

Depois fomos para o antigo farol que funcionou de 1860 até 1919 e a luz dele podia ser vista em até 67 quilômetros de distância. Para eu e Alexis irmos até ele, pegamos uma espécie de bondinho com trilhos chamado ‘Funicular’. Mesmo assim, ainda tinha uma série de escadarias para chegar ao topo...


A vista de lá de cima era linda e pude tirar várias fotos. Além do farol, havia um poste com o nome de várias cidades famosas e a distância delas em relação a Cape Town. 

Rio de Janeio - Brasil: 6.055KM
Tivemos que descer a pé e corremos em boa parte do caminho. Ao chegar embaixo, fomos à lanchonete (Onde comprei um Muffin gigante e uma Coca-Cola) e na loja de souvenires. Lá se eu pudesse compraria tudo! Tem tanta coisinha bonita de lembrança da África do Sul... Mas o que estraga é o preço. Acabei comprando uma pulseira e um cartão postal.


Em seguida fomos ao ‘Cape of Good Hope’ que é o ponto mais ao sul do continente africano. E acho que a maioria das pessoas lembra da história do ‘Cabo das Tormentas’ que virou ‘Cabo da Boa-esperança’, não é?

Lá fazia um vento muito forte, muito mesmo, que chegava a desequilibrar-nos quando ficamos de pé. E tinha fila para tirar uma foto como essa daqui:


Para fechar o passeio fomos ao monumento em homenagem ao Vasco da Gama, que é um pilar com uma cruz no topo e um painel explicando quem ele foi.

Quando pegamos a estrada para sair da reserva vimos uma família de babuínos atravessando a rua tranquilamente com os filhotinhos.


Anne me deixou em casa quando a chuva estava comecando e disse que vai me convidar pra mais passeios como esse... Eu adorei!

4 comentários:

  1. Oiii Gu que bom que você esta aproveitando bem, e indo conhecer lugares novos ai na Africa!!! beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro conhecer lugares novos aqui... Beijos!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...